Novo Popovich?

Jason Kidd comparado com Gregg Popovich

A má fase acabou!

Ele está começando a se tornar um treinador muito bom, posso sentir isso. Jason Kidd vai ser um dos melhores técnicos (da NBA), com certeza – o novo Gregg Popovich (Mirza Teletovic sobre Jason Kidd)

A frase é um pouco exagerada, pelo menos a princípio, mas mostra que o trabalho de Jason Kidd no Brooklyn Nets está começando a dar certo. Depois de um início de temporada catastrófico, com direito a multa por simular uma trombada contra o próprio comandado apenas para conseguir pedir um timeout, o time do ex-armador finalmente entrou nos trilhos e já está na zona dos playoffs (tudo bem, é a Conferência Leste, eu sei).

Kidd, aliás, foi o grande responsável por dar espaço a Mirza Teletovic, que chegou a Nova York como estrela do basquete europeu, mas que demorou a engrenar na NBA. O treinador deu um voto de confiança ao bósnio e ele vem dando conta do recado, com médias de nove pontos (FG: 44,4%, 3FG: 42,2%) e 3,5 ressaltos em pouco mais de 19 minutos por noite. Nos últimos cinco jogos, os números do ala subiram para 14 tentos (FG: 51%, 3FG: 44,1%) e três rebotes em quase 21 minutos.

Quando Brooklyn teve o insight de contratar Jason Kidd para o cargo de técnico principal, apoiei a ideia, achei interessante (inclusive vendo pelo lado de marketing) e torci para dar certo. Kidd sofreu para se adaptar e logo na primeira onda de má fase houve uma chuva de críticas ao seu trabalho. Aqueles que haviam aplaudido a chegada do treinador passaram a pedir sua cabeça. Eu fui por outro caminho. Recomendei um pouco mais de paciência e lembrei do começo do próprio Gregg Popovich em San Antonio.

O Coach Pop teve um início pra lá de conturbado no Texas. Ele era o general manager da equipe quando decidiu, em 1996-97, mandar Bob Hill embora e se autopromover head coach. O veredicto do comandante foi visto com maus olhos à época, já que David Robinson, principal estrela do time, estava lesionado. O ano de 1997 terminou de forma ruim para os alvinegros, que tiveram a pior campanha de sua história. O cenário mudou na temporada seguinte, quando o Spurs ganhou o primeiro lugar no draft e recrutou aquele que se tornaria o grande expoente da franquia: Tim Duncan. Daí por diante vocês já sabem o que aconteceu.

O que quero dizer aqui é o seguinte: por pior que tenha sido o começo de carreira de Jason Kidd como técnico, é sim possível que ele dê a volta por cima e se torne um profissional respeitado. Talvez nunca se iguale a Gregg Popovich, mas o que custa sonhar? O apoio do seu elenco, pelo menos, ele parece já ter conquistado.

7 Respostas para “Novo Popovich?

  1. Enquanto tiver um petroleiro de grana toda santa temporada ele vai conseguir fazer um trabalho decente. Quero ver fazer como o Pop, tirar uma franquia pequena da eterna segunda rodada dos playoffs e transformá-la em tetracampeã usando apenas o que foi draftado e transações menores.

    • Só melhorando meu comentário: não que eu duvide do Kidd. Ele é um basqueteiro de mão cheia. Só acho que o basquete (e o esporte em geral) tem mania de ficar buscando o “próximo fulano”. Tinha época que todo mundo na liga queria draftar o próximo Jordan. Depois queriam o próximo Shaq. Já teve a modinha do próximo Nowitzki. No momento todo mundo quer montar um time que seja o próximo Spurs ou o próximo OKC. Já vi que a coisa chegou no mundo dos head coaches. Logo vão querer o próximo P-Jax ou o próximo Pat Riley.

      E se as pessoas deixassem ele ser o próximo Jason Kidd apenas?

      • Cara, discordo um pouco. É normal do ser humano comparar. Todo mundo se compara e compara os outros a todos os momentos. Observa isso no nosso dia-a-dia. Acho que nada é mais normal do que ver um cara “bom” surgindo e compará-lo com alguém já consolidado, como o Popovich. A partir do momento que o Kidd chegar a um patamar de Popovich (se chegar), aí ele vai deixar de ser o “novo Popovich” para ser o cara que vai ser o modelo. Ou seja, quando surgir um próximo cara foda, esse cara novo será o “novo Jason Kidd”. Enfim, acho que isso é normal na nossa cultura…

      • Pois é, é normal, mas acho injusto. A cobrança em cima de certos talentos brutos atrapalha um tanto. LeBron sofreu anos por quererem que ele fosse o Jordan ou o Kobe, e só se tornou incontestavelmente o melhor jogador da Liga quando resolveu esse lado psicológico. Quem sofre hoje é o Anthony Davis do Pellicans. Tem talento pra ser um dos melhores PFs da liga em breve, lado a lado com Aldridge e Love, mas a cobrança em cima dele por não ter sido ROY foi cruel. Não acompanho a carreira dele de perto, mas se o garoto não tiver cabeça firme e bom apoio profissional, a coisa vai por água abaixo.

        Realmente é normal. Mas as pessoas desvirtuam o propósito disso. Por exemplo, os olheiros de Draft, quando querem explicar pro grande público o estilo de certo jogador, dizem por exemplo que ele pode ser comparado a Larry Bird. Só que o povo esquece que isso significa estilo, jeito de jogar, e não que o cara VAI ser o próximo Larry Bird.

        Eu acho que o Teletovic teve boa intenção ao elogiar o Kidd, mas pode sair pela culatra. Os críticos vão pegar no pé dele pro resto da sua vida de treinador enquanto ele não alcançar o mesmo sucesso do Pop – se alcançar. É injusto.

  2. Pingback: Caminho do Spurs na Rodeo Road Trip 2014 | Destino Riverwalk·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s