Entendendo o momento de Tony Parker

Tony Parker em má fase

Como explicar?

Tenho observado seu estado porque ele teve uma offseason desgastante. Realmente dependemos dele para pontuar, comandar o time, esse tipo de coisa, mas até agora ele parece bem. Temos dado algum tempo de folga para ele aqui e ali só para ter certeza de que tudo continue em ordem. É algo que seguirei olhando de perto, mas até o momento nenhum sinal de cansaço foi apresentado. (Gregg Popovich)

A temporada passada dele foi incrível, uma temporada de MVP. É difícil igualar ou superar isso. Ele está jogando bem, mas sabemos que pode melhorar. As equipes têm marcado ele mais rigorosamente, impedindo que ele infiltre. Elas sabem que tirá-lo do ataque irá nos prejudicar. Tony é o nosso motor e os times sabem disso. (Danny Green sobre Tony Parker)

As frases de Gregg Popovich e Danny Green demonstram a importância de Tony Parker para o San Antonio Spurs. Depois de disputar sete duelos estafantes durante as finais da NBA, o armador conduziu a França ao título da Eurobasket, o campeonato europeu de basquete. Enquanto grande parte dos astros da liga descansavam, Parker se desgastava num torneio mentalmente estressante. Esse excesso de trabalho nos últimos meses pode explicar o desempenho do camisa 9 nesta temporada. Embora ele continue sendo importante, seus números caíram quando comparados aos de 2012-13.

Ano passado o francês estava na melhor forma de sua carreira e foi decisivo para a conquista da Conferência Oeste. Em 66 jogos, Tony registrou 20,3 pontos (FG: 52,2%; 3FG: 35,3%; FT: 84,5%), três ressaltos e 7,6 assistências em 32,9 minutos por noite. Neste ano, contudo, o desempenho do armador desabou em praticamente todas as estatísticas: 17,7 tentos (FG: 50,7%; 3FG: 47,1%; FT: 77%), 2,5 rebotes e 6,2 passes certeiros em 30,8 minutos.

Deem uma olhada no gráfico de arremessos do jogador e observem que por mais que ele tenha aumentado consideravelmente seu aproveitamento nos tiros de três pontos, as médias nos chutes de curta e sobretudo média distância despencaram. Os shotcharts provam o que pode ser visto em quadra: aquele tradicional arremesso do camisa 9 saindo do pick and roll está em baixa.

Gráfico: shotchart Manu Ginobili

Dados de 2013-14

Gráfico: shotchart Manu Ginobili

Dados de 2012-13

Abaixo temos outra planilha interessante. Vejam que o francês melhorou seus números timidamente na área pintada, pulando de 45,4% em 2012-13 para 46,7% em 2013-14, contudo, notem que o aproveitamento caiu bastante na chamada restricted area (setor dentro do semicírculo). Isso pode ser reflexo daquilo que Danny Green falou lá em cima: defesa implacável. Parker está utilizando a restricted area até mais neste ano. Ele tenta, em média, 5,5 lances por partida por lá, contra 5,2 da temporada passada. Se o número de tentativas aumentou e o desempenho desceu, é provável que as retaguardas anti-Parker realmente estejam fazendo efeito.

Gráfico: shotchart Manu Ginobili

Dados de 2013-14

Gráfico: shotchart Manu Ginobili

Dados de 2012-13

Segundo Gregg Popovich, no entanto, o camisa 9 está bem fisicamente e sem nenhuma sequela da cansativa offseason. O próprio atleta afirmou recentemente que sente dores aqui e ali, mas nada relacionado à maratona de jogos dos últimos meses. Isso me leva a pensar em duas coisas: prestes a completar 32 anos, Parker pode estar começando a sentir o peso da idade e talvez por isso esteja sofrendo para lidar com as defesas dos grandes times da liga. Uma outra hipótese é a de o francês estar tentando levar a temporada em banho-maria enquanto espera a chegada dos playoffs. A estatística de minutos dá força a esse argumento. Com 30,8 minutos em quadra por noite, o armador só atuou menos em sua época de novato (29,4).

Por mais que eu formule uma dezena de hipóteses, a verdade é que é impossível adivinhar o que está acontecendo com Tony Parker. Quem acompanha os confrontos do Spurs como eu tem percebido uma certa apatia, principalmente nos duelos com cara de playoffs. Das oito derrotas texanas no ano, sete foram para equipes que concorrem diretamente pelo título (Houston Rockets duas vezes, Oklahoma City Thunder duas vezes, Los Angeles Clippers, Portland Trail Blazers e Indiana Pacers). O oitavo revés foi contra o Knicks, que embora esteja mal na tabela, fez contra San Antonio um dos poucos jogos com elenco completo na temporada inteira. Nesses embates, Parker obteve médias de 15,3 pontos (FG: 39,8%; 3FG: 33,3%; FT: 70%), 3,3 rebotes e 6,4 assistências.

Cansaço, idade, descanso proposital ou um pouco dos três? Até aqui temos apenas hipóteses e nenhuma certeza. Convém, neste caso, aguardar uma amostragem maior ou simplesmente sentar e esperar o mata-mata. Só aí poderemos finalmente ter um desfecho para tanta probabilidade.

5 Respostas para “Entendendo o momento de Tony Parker

  1. Duvido que ele esteja se poupando. Ele mesmo já disse que não gosta de ser poupado e já escondeu uma lesão pra jogar na temporada regular. Eu sinceramente acho que ele está cansado, vale lembrar que se nessas férias ele jogou a Euro nas outras ele jogou as olimpíadas. Acho que os Spurs deveria dar uns dias de descanso pra ele.

  2. Tenho a vantagem de comentar aqui depois do jogo contra o Dallas. Nos três últimos jogos Parker chutou 64%, apesar de ter sofrido barbaridade contra Mike Conley no penúltimo jogo. Acho que ele está sofrendo um pouco com o lado físico, mas principalmente ele está naquela letargia que todo atleta passa no meio de uma temporada regular extremamente longa. Some-se a isso a sensacional (e desgastante) temporada que ele teve na Euro e entende-se porque ele não vinha rendendo tanto. Essa redução no ímpeto de jogar deve-se mais a uma acomodação mental do que a um desejo consciente de se poupar. Mas quando chegarmos na reta final, ou quando o time exigir mais dele, ele estará pronto. Basta ver que o Duncan começou a temporada com o freio de mmão puxado, e foi só o time precisar que ele engatou uma sequencia de double-doubles. Como o TP9 parece que aconteceu o mesmo. Com as derrotas nos últimos jogos ele percebeu que tinha que aparecer mais, e pronto. Três vitórias seguidas com aproveitamente excepcional.
    Vamos ver isso acontecer bastante. As estrelas jogando pro gasto até serem exigidas.

    • Bom, torço para que ele melhore. Eu nao acho que seja cansaço, acredito mais na hipótese de que ele esteja acomodado mentalmente.

  3. Pingback: Céu e inferno | Destino Riverwalk·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s