O Oeste é nosso!

Nosso MVP! (Foto: AP)

Nosso MVP! (Foto: AP)

No vestiário pós-derrota para o Oklahoma City Thunder nos playoffs de 2012, Tony Parker mirou o companheiro Tim Duncan e lhe fez uma promessa. O francês jurou carregar o San Antonio Spurs à quinta final de sua história e dar ao camisa 21 um fim de carreira digno de sua grandeza.

Dito e feito! Em noite iluminada, Parker anotou 37 pontos no duelo decisivo sobre o Memphis Grizzlies e ajudou os texanos a varrerem o rival de forma inesperada. De quebra, ele deu a Duncan e a uma torcida fanática, que esperou o time no aeroporto de San Antonio na volta do Tennessee, o primeiro título da Conferência Oeste desde 2007.

Em entrevista concedida ao Yahoo! Sports após a vitória por 93 a 86, Parker detalhou essa bonita história:

Duncan me lembrou (da promessa) todas as vezes que avançamos de round na pós-temporada. Timmy significa muito para mim. Aprendi demais com ele desde que cheguei a San Antonio e ele sempre me ajudou. Ele é um grande amigo, muito próximo mesmo, dentro e fora das quatro linhas. No primeiro título ele nos comandou. Ele “era a franquia” naquela época. Me sinto abençoado porque agora é a minha vez de tentar levar essa equipe até o fim. Se eu conseguisse fazer isso por ele, seria inacreditável. (Tony Parker)

Desde 2007, quando varreu o Cleveland Cavaliers na grande final, o San Antonio Spurs vem se frustrando consecutivamente nos playoffs. A principal queda, por coincidência, aconteceu em 2011, justamente contra o Memphis Grizzlies. Na oportunidade, o time de Zach Randolph havia se classificado em oitavo lugar no Oeste e entrou em quadra como franco-atirador. O revés em seis partidas colocou em xeque o trabalho de Gregg Popovich e a relevância das principais estrelas texanas.

Em 2012, diante de Kevin Durant e Russell Westbrook, nova derrota decepcionante. Aquela que muitos acreditavam ser a última corrida pelo título terminou com duros golpes a sangue frio. Depois de abrir dois a zero jogando em casa, o alvinegro sucumbiu ao cansaço e à idade e levou um verdadeiro baile da garotada de Oklahoma. Seria o fim dessa era de ouro?

Quando Tony Parker desembarcou em San Antonio com um arremesso pouco eficiente e sua defesa nada confiável, nem o torcedor mais otimista esperaria que ele fosse virar uma estrela. O francês tinha um físico mirrado, era afobado no comando do ataque e apresentava buracos aparentemente irreparáveis em seu repertório. Com o tempo, até mesmo a característica puramente pontuadora do armador foi dando lugar a um atleta cerebral. O amadurecimento do camisa 9 impressiona e deve ser creditado, em partes, a Gregg Popovich, que apostou muitas fichas num jogador que parecia apenas bom e ajudou a torná-lo excelente.

Ele (Parker) é incrível e evoluiu muito nos últimos anos. Chegamos até aqui com ele no comando e agora faremos de tudo para vencermos mais quatro partidas. Ele está nos carregando e disse que me traria de volta à final. A verdade é que é muito divertido estar aqui novamente. Sei que o que temos é algo raro. É raro pela confiança que todos têm no Pop e na diretoria. É raro por termos um time jogando junto por tanto tempo. Há muitas raridades no ar. (Tim Duncan)

Além do fator Tony Parker, há outros dois pontos que precisam ser levados em conta. O primeiro, sem dúvidas, é Tim Duncan. A maneira como o ala-pivô conseguiu reinventar seu arsenal de jogadas para superar os percalços da idade é coisa de gênio. Ao perceber que o corpo estava cansado de brigar embaixo da cesta com a mesma intensidade do começo de carreira, Timmy trabalhou duro e tornou seu arremesso de média distância mortal. Já falei sobre isso anteriormente aqui no blog (leia aqui) e volto a dizer: Duncan hoje é um atleta que demanda muito esforço para ser marcado.

Os outros dois pilares do Big 3

Os outros dois pilares do Big 3

Por fim, vale destacar o empenho de Gregg Popovich e R.C. Buford em dar o suporte necessário às estrelas do elenco. Danny Green era um ninguém antes do Spurs, Boris Diaw andava em baixa no Charlotte Bobcats e Kawhi Leonard chegou numa troca bastante criticada por torcedores e especialistas. Tiago Splitter, arrancado do basquete espanhol em 2010, sofreu para se adaptar e custou a conquistar seus minutos, mas agarrou as oportunidades que recebeu e agora é insubstituível.

Todo esse trabalho árduo traz consigo uma recompensa, neste caso, o título da Conferência Oeste e a chance de disputar o quinto anel da liga mais concorrida do planeta. Também é importante notar que a franquia nunca parou de pensar em se renovar. A vinda de bons (e jovens!) jogadores para auxiliar Parker, Duncan e Ginobili é estratégica. Quando o Big 3 se aposentar, será deles a responsabilidade de nos manter entre os melhores.

Já me sinto muito bem (em ter chegado à final). Você nunca espera que isso vá acontecer a essa altura da carreira e com o mesmo grupo. É difícil fazer algo assim perdurar. Contudo, isso apenas mostra a personalidade desses três caras (Parker, Duncan e Ginobili) e a habilidade que eles têm de jogar com quem quer que seja trazido para complementar o time. Eles merecem muito crédito. (Gregg Popovich)

9 Respostas para “O Oeste é nosso!

  1. Cara, parabéns pelo trabalho. Esse post foi certamente o melhor da história do blog. Não sabia dessa promessa do Parker, essas coisas são muito interessantes no esporte. Agora vamos buscar esse quinto título!

    Abs.,
    Rafael.

    • Opa, valeu cara!

      Sempre bom ler elogios, ainda mais de um torcedor antigo como você!

      Vamos buscar esse quinto título, acho que temos boas chances, ainda mais com o descanso que vamos ter agora. Só espero que esse descanso não faça o time perder a “pegada”. Lembra quando varremos o Lakers? Depois de tanto tempo “parado” entramos boiando para a série contra o Warriors. Só fomos jogar bem mesmo na terceira partida.

  2. Excelente post cara.
    Acho a história desses 4 (Parker, Manu, Duncan e Pop) uma das mais incríveis do esporte, conquistar esse titulo seria épico.

  3. Pingback: Vídeo: Parker é o melhor armador da NBA? | Destino Riverwalk·

  4. Esse negócio da promessa foi mesmo incrível. Será mágico se conquistarmos esse título.TIMMY merece mais do q ngm!!

    • Essa parte do esporte é muito legal. É claro que se o Spurs perdesse ninguém ia falar disso, mas como ganhou é sempre bom ficar sabendo.

  5. Pingback: 15 anos de glórias e perdas em vídeos | Destino Riverwalk·

  6. Pingback: Entendendo o momento de Tony Parker | Destino Riverwalk·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s